O guia completo de como criar um curso online

O guia completo de como criar um curso online

Por Thiago Rodrigues - 2 de fevereiro de 2021 -

Se você chegou até aqui com uma ideia em mente e deseja saber como criar cursos online, saiba que está no lugar e na hora certa. Sabe por quê? Uma pesquisa de 2019 apontou que 48% dos brasileiros já fizeram pelo menos um curso pela internet. Mas, com a pandemia, a procura por esse tipo de serviço explodiu no meio virtual.

E não para por aí. Neste artigo, eu explico mais alguns motivos relevantes que tornam a criação de cursos online uma ótima oportunidade profissional. Além disso, compartilho com você um passo a passo, da pré-produção à divulgação do seu trabalho. Que tal continuar comigo até o final? Boa leitura!

Por que criar cursos online?

Talvez a ideia já esteja rodeando seus pensamentos há um tempo e você só não começou a investir no projeto porque ainda tem dúvidas sobre como criar cursos online. Que tal, então, dar uma olhada na realidade do mercado atual?

O ensino a distância se fortaleceu com os anos e, com a pandemia do coronavírus, sofreu uma aceleração absurda. Em 2018, de acordo com o Censo EAD, foram oferecidos mais de 30 mil cursos online em diversas instituições. Houve também um crescimento de 25,4% na oferta de treinamentos empresariais e de 36,8% em cursos livres de temas variados.

Muita coisa, não é mesmo? É um aumento significativo de 120% em relação aos dados de 2016, segundo a pesquisa. E isso prova o potencial do mercado, afinal, a procura só cresce! A quarentena, segundo a Catho Educação, fez com que a busca por cursos online saltasse 70% em relação aos períodos anteriores.

Essa modalidade de ensino ganhou a confiança das pessoas pela autonomia, flexibilidade e praticidade de aprender absolutamente tudo pela internet. De graduações e especializações até cursos livres de meditação ou jardinagem, é possível encontrar nichos variados no vasto terreno virtual de conhecimento.

O empreendedorismo na área educacional tem crescido notavelmente. E os motivos não param apenas na lei de oferta e procura. Veja só:

  • Você pode fazer uma renda extra significativa ou até mesmo transformar o seu projeto em algo lucrativo e prazeroso, sem a necessidade de um investimento inicial alto;
  • É possível fazer tudo em regime de home office, com flexibilidade de horários e produtividade não só para quem cria o curso, mas também para quem se torna aluno;
  • Não há a necessidade de limitar o número de vagas, como acontece em cursos presenciais, o que proporciona ganhos escaláveis;
  • Seu conhecimento é amplamente compartilhado, de uma forma justa e acessível, com muito mais pessoas interessadas, em uma relação em que todos saem ganhando.

São muitas vantagens, está vendo? Se elas convenceram você a investir na ideia e aprender como criar cursos online, você já pode avançar na leitura e começar a dar os primeiros passos!

Como organizar a pré-produção?

Tudo que a gente se predispõe a fazer merece um planejamento bem alinhado para que as coisas realmente deem certo. Então, vou começar pelas dicas de pré-produção, combinado? Aqui, você vai organizar suas ideias, definir seu tema, pesquisar sobre o mercado, seu público-alvo e outros aspectos.

Escolha um nicho de mercado

Na internet, encontramos de tudo um pouco e, quando se trata de cursos, não é diferente. Por isso, o primeiro ponto a se pensar é em qual nicho seu material se encaixa melhor. Isso ajuda a garantir o sucesso da proposta e contribui para o direcionamento de todas as outras etapas de produção.

Acontece que cada área traz suas particularidades e é preciso ter foco no segmento para que os alunos do curso realmente aproveitem o conteúdo e a experiência. É interessante analisar não só as possibilidades como também as tendências do momento, a relação de oferta e procura e até mesmo a concorrência. Assim, fica fácil definir o tema para cuidar do próximo passo.

Encontre seu público ideal

Você já definiu o nicho e escolheu um tema para o curso online. Então, agora, vamos juntos pensar no público-alvo? Afinal, quem é o tipo de pessoa que vai se interessar pelas suas aulas? Para exemplificar, vamos supor que seu segmento é o de artesanato e que você identificou uma procura por dicas de produção de ecoprodutos.

Bem, o público geral é de artesãos ou pessoas interessadas em aprender artesanato, seja por hobby, seja para fazer uma renda extra. No entanto, é possível delimitar um pouco mais, criando o que chamamos de persona — uma identidade semifictícia do seu aluno em potencial. Aqui, é possível segmentar por gênero, faixa etária, classe socioeconômica, hábitos de consumo etc.

Digamos que sua persona é uma mulher, com idade entre 25 e 45 anos, escolaridade de nível superior e pouco tempo livre para se dedicar integralmente ao artesanato. Ela se preocupa com questões ambientais e tenta adotar soluções sustentáveis no dia a dia. Por isso, ela quer aprender a produzir artesanatos com o diferencial ecológico para gerar uma renda extra.

Defina o formato do curso

Pronto, agora que você já sabe o nicho e qual é sua audiência, é hora de pensar no melhor formato do curso. Sabemos que ele será online, claro, mas qual será a duração? As aulas serão ao vivo ou gravadas? Quantos minutos cada uma? O conteúdo será dividido por módulos? Você vai disponibilizar material de apoio?

A pré-produção serve justamente para alinhar esses detalhes, de modo que, quando estiver tudo pronto, o curso online seja um sucesso entre os participantes. Aliás, aqui, você também pode planejar como será a distribuição — gratuita ou paga —, formas de pagamento, tempo de duração, área de acesso, entre outros pontos.

Duas maneiras muito comuns atualmente incluem disponibilizar todo o conteúdo de uma vez só ou liberar um módulo por dia ou semana após a inscrição. Isso faz com que o material fique disponível por mais tempo, gerando uma receita recorrente, como a que vem de assinaturas. Veja outras possibilidades:

  • Curso online não sincronizado — o aluno assiste às aulas e desenvolve as atividades propostas sem data e horário definidos. O acesso ao conteúdo pode ter uma validade maior, de um ou dois anos, por exemplo, ou ser vitalício;
  • Curso sincronizado — as aulas acontecem em tempo real, com turmas montadas para acompanharem em um mesmo período o conteúdo, simultaneamente, em salas de aula virtuais;
  • Curso híbrido — é um formato em que você mescla momentos sincronizados e não sincronizados.

Estruture o esqueleto do curso online

Depois de tudo isso definido, você vai preparar o outline, também conhecido como esqueleto do curso. Essa é uma etapa importante, que exige tempo e dedicação, afinal, é o momento de fazer ajustes para entregar a melhor experiência ao usuário.

Enquanto a estruturação acontece, pense em como você vai distribuir os assuntos em módulos, quais momentos requerem o repasse de teoria e quando as pessoas poderão partir para a prática. Veja só um exemplo:

  • Módulo 1 – introdução;
  • Módulo 2 – histórico e importância dos ecoprodutos;
  • Módulo 3 – os materiais mais utilizados;
  • Módulo 4 – as principais técnicas;
  • Módulo 5 – passo a passo de um ecoproduto “x”;
  • Módulo 6 – apresentação dos resultados.

Em cada módulo, é só elencar as aulas. O ideal é pensar em uma estrutura completa e enxuta, que proporcione a melhor vivência ao aluno, sem ficar cansativo. Uma dica é analisar a concorrência, se houver, ou observar a estruturação de cursos online semelhantes, para poder fazer ainda melhor!

Quais são os passos para produzir um curso online?

Após ter toda a estratégia documentada na pré-produção, chegou a hora de colocar a mão na massa. Com o planejamento pronto, fica muito mais fácil dar os primeiros passos na produção do seu curso online. A seguir, eu explico melhor. Vamos lá!

Roteiro da videoaula

Lembra do outline? Então, ele vai ser o ponto de partida para você criar o roteiro de cada videoaula. Assim, o conteúdo é compactado nos módulos dentro de um tempo médio, para que as pessoas inscritas possam se organizar melhor na sua rotina de estudos.

A duração de cada aula pode ser de 15 minutos, 20, 30, 60… tudo vai depender da quantidade de conteúdo a ser compartilhado. E é no roteiro que você consegue manter uma padronização, para não falar demais ou de menos, por exemplo.

Vale lembrar que não é para seguir o roteiro à risca, viu? Ele serve de norte, mas não pode deixar o conteúdo das aulas superficial ou sem espontaneidade. Afinal de contas, enquanto professor do seu curso online, você deve passar confiança e autoridade no assunto.

Fragmentação das aulas

Cada aula precisa seguir uma subestrutura, de modo que faça sentido a jornada do aluno. Você pode dividi-las em quatro momentos — problematização, conteúdo, prática e desfecho — ou então em três partes apenas, eliminando a prática para que ela fique concentrada em um módulo final.

Na problematização, você apresenta o assunto para que seus alunos tenham uma visão rápida do que vão aprender naquela aula. Depois, compartilhe o conteúdo central de um jeito didático e confiante, com interações discursivas e outras técnicas que ajudem a prender a atenção da audiência.

A prática, quando adicionada à aula, também pode ser apenas reflexiva. Apresente uma situação e peça que seu aluno pense sobre ela. Diante de vários materiais recicláveis e reaproveitados, por exemplo, quais seriam ideais para criar uma lancheira térmica?

Aqui, a prática ainda não se resume a confeccionar o ecoproduto, mas desenvolver a estratégia. No desfecho, o aluno deve estar preparado para seguir em frente, seja para a próxima aula, seja para a parte prática de fato.

Escolha de equipamentos

Roteiro pronto e revisado? Vamos gravar as videoaulas! O conteúdo audiovisual é fundamental em um curso online, por isso, você precisa encontrar o equipamento ideal. Ninguém precisa de uma superprodução cinematográfica, sobretudo atualmente, com a tecnologia avançada e acessível em câmeras compactas e smartphones.

Se preferir contratar um profissional para ajudar na captação e edição de imagem, tudo bem, mas dá para fazer tudo por conta própria, se você dominar o básico. Desde que a qualidade final da videoaula esteja boa, seu objetivo será atingido!

E isso inclui não só imagem, mas o áudio — escolha um ambiente silencioso e conte com um bom microfone para tornar a comunicação a mais limpa e clara possível.

Montagem de um estúdio

Por falar em ambiente, é válido ressaltar que o lugar escolhido para a produção das aulas faz toda diferença. Uma boa iluminação, bem como a ausência de ruídos, contribui para uma gravação de qualidade e, claro, um resultado profissional.

Nesse sentido, aqueles iluminadores de LED podem ajudar bastante. Um fundo de cor sólida também é bem-vindo, como uma parede branca. Se preferir, você pode incluir elementos visuais durante a edição ou criar um cenário temático, de acordo com o assunto das aulas. Use a criatividade com moderação e produza um curso online único no mercado!

Desenvoltura frente as câmeras

Quando falei sobre espontaneidade mais cedo, você deve ter percebido que não é para pegar e ler o roteiro diante da câmera. E é isso mesmo! Ninguém aguenta uma aula monótona. Imagine, então, no ambiente virtual, em que a pessoa pode se dispersar mais facilmente.

A desenvoltura enquanto você está no processo de gravação é essencial para que o conteúdo transfira toda sua confiança e domínio em relação ao tema. Para isso, grave alguns testes a fim de analisar pontos que podem ser melhorados ou que faltaram na sua explicação. Considere também as seguintes dicas:

  • Evite falar muito rápido ou devagar demais;
  • Adote uma pronúncia clara e sem vícios de linguagem;
  • Alinhe boas práticas de uma linguagem corporal positiva, com postura ereta e confiante;
  • Utilize um vestuário neutro, que ajude a manter o foco no conteúdo em si;
  • Adéque o tipo de linguagem ao seu público.

Edição de vídeos

Depois de realizar testes e, finalmente, gravar a versão final, você ainda vai precisar editar o vídeo para deixar o conteúdo redondo. Se já sabe mexer com esse tipo de edição, ótimo, mas, se preferir, é possível contratar bons profissionais no mercado, inclusive freelancers que atuam na área de conteúdo para web.

De toda forma, as ferramentas atuais de edição de vídeo são bastante intuitivas, sejam elas gratuitas ou pagas. Do simples Movie Maker do Windows ao Adobe Premiere, você vai encontrar o programa ideal para otimizar os conteúdos do curso online. Outras opções são o Final Cut, com uma interface amigável, e o Shotcut, que oferece uma versão grátis.

Como vender o seu curso?

Depois de todos os passos de pré-produção e produção, finalmente chegamos ao final? Ainda não! Com o material pronto para ser implementado e distribuído, chegou a hora de ajustar os detalhes finais para, de fato, vender o seu curso online e obter ótimos retornos. A partir de agora, vou falar sobre como precificar, hospedar e divulgar o conteúdo!

Precificação

Por mais que a internet esteja repleta de produtos digitais gratuitos, as pessoas buscam por conteúdos exclusivos e cursos específicos — e pagam por isso se acharem que vale a pena. Logo, dá para você identificar seu valor e, em uma relação de troca em que todos saem ganhando, receber pelo repasse de conhecimento em forma de curso online.

Valores muito altos podem afastar potenciais alunos, ao mesmo tempo em que preços baixos demais tendem a desvalorizar o produto e não garantir um retorno financeiro viável. Então, como precificar?

Para começar, avalie a média de preço no mercado, ou seja, quanto custam cursos concorrentes ou similares ao seu. Assim, você não foge tanto da realidade.

No entanto, também é preciso considerar seu investimento total: o que você gastou com a produção do curso, considerando equipamentos, contratação de edição e, claro, o tempo utilizado para colocar tudo em prática.

O público também entra na equação, sobretudo se ele é bem mapeado lá na pré-produção. Quando você conhece bem seu aluno em potencial, você consegue ter uma ideia dos seus hábitos de consumo digital e do preço médio que ele está disposto a pagar por cursos online.

Hospedagem

Material pronto, preços definidos, chegou o tão esperado momento de fazer acontecer. Para que isso seja possível, seu curso precisa estar hospedado na internet, de preferência em um site ou plataforma específica para EAD. A escolha deve considerar a segurança das informações — principalmente a dos alunos, que vão realizar transações financeiras por ali, certo?

O controle da turma, a facilidade em navegar pelas aulas e materiais e a possibilidade de acompanhar métricas e resultados também são fatores importantes. O mercado hoje oferece alternativas pagas e gratuitas nesse sentido, como:

O mais indicado é pesquisar sobre cada uma das opções disponíveis e avaliar o que é mais vantajoso para você. Estude com atenção as funcionalidades das plataformas, seus benefícios, usabilidade etc.

Divulgação

Assim que seu curso online estiver devidamente hospedado e com valores definidos, é só divulgar para o máximo de pessoas. Se quiser produzir um evento de lançamento, por exemplo, dá para aprender como e quando criar um webinar e, por meio dele, explicar a importância do conteúdo, o valor agregado e como se inscrever. Mas também é possível ir além!

Landing page

Para divulgar seu produto e atrair novos alunos, você pode criar uma página de vendas — landing page —, que facilita não só o acesso à inscrição do curso como ajuda a captar os dados mais importantes dos interessados e inscritos.

E-mail marketing

Uma das estratégias mais baratas e certeiras em termos de engajamento e conversão é o e-mail marketing. Com os endereços coletados pela landing page, por exemplo, você pode estabelecer uma relação com as pessoas interessadas no curso online e nutri-las com conteúdos relacionados, que as incentivem a investir nas aulas ofertadas.

Redes sociais

As redes sociais entram aqui como ótimos canais de divulgação e engajamento, afinal, a maioria do público está lá. Facebook, Instagram, YouTube e LinkedIn são plataformas incríveis de interação, engajamento e nutrição de relacionamentos com clientes e novos alunos.

Blog

A criação de um blog com conteúdos relevantes sobre sua área é uma estratégia riquíssima de inbound marketing. Isso quer dizer que você atrai as pessoas certas para seu produto — nesse caso, o curso online.

A produção de conteúdos valiosos chama alunos que, ali, descobrem a solução mais acertada para resolver seus problemas. Quando bem desenhada, a estratégia os leva a se inscrever no curso online.

Brindes

Provavelmente você já viu que o uso de brindes em eventos dá muito certo. Mas já pensou que esse tipo de abordagem também pode acontecer no meio virtual? A proposta, aqui, é oferecer brindes interessantes aos “x” primeiros inscritos, por exemplo, a fim de atrair mais alunos para o seu curso online.

Os produtos que mais fazem sucesso nesse contexto são os brindes tecnológicos, sobretudo quando têm relação com o tema das aulas. Contudo, essa ligação direta com o segmento não é uma regra. O ideal é que eles sejam apenas um facilitador na decisão.

O nosso exemplo do curso para confecção de ecoprodutos artesanais pode oferecer um power bank aos 10 primeiros inscritos, uma luminária de mesa aos que assinarem até um determinado dia ou um kit básico com caneta, caderno e ecobag a todos os alunos.

Mídia paga

Por fim, também é possível usar a publicidade paga para obter um resultado interessante em curto prazo. Os anúncios pagos geram uma visibilidade satisfatória, pois são segmentados de maneira estratégica e inteligente — o que possibilita cliques com possibilidade de conversão.

As redes sociais atualmente têm seus sistemas de postagens patrocinadas e outras formas de anúncios pagos. Basta estudar direitinho como cada plataforma funciona e usufruir dos recursos Ads para promover seu curso online de um jeito mais rápido e abrangente.

Viu só como criar cursos online não é tão impossível quanto parecia antes? Apesar de ser um projeto que requer trabalho e investimento (mais de tempo que de dinheiro), vale muito a pena se dedicar à ideia. Afinal, você terá uma fonte de renda recorrente que, se bem nutrida, pode trazer retornos escaláveis.

Uma última dica: é interessante reciclar seu conteúdo de tempos em tempos. Isso ajuda a manter o curso online atualizado — desde o material institucional até os próprios vídeos das aulas. Quando um interessado nota que o material é recente e bem fundamentado, as chances de ele se inscrever são maiores. Pode ter certeza!

Gostou de aprender como criar cursos online? Então, compartilhe este post nas redes sociais e divida essas dicas com mais pessoas!