Custo de Aquisição do Cliente: 7 passos para reduzir e otimizar!

Custo de Aquisição do Cliente: 7 passos para reduzir e otimizar!

Por Thiago Rodrigues - 27 de Maio de 2020 -

O Custo de Aquisição do Cliente, o famoso CAC, é um dos indicadores indispensáveis para atingir os objetivos de desenvolvimento e de crescimento de uma empresa. Entre as várias métricas que existem hoje, algumas precisam ser tratadas de modo diferenciado — e, com toda certeza, o CAC é uma delas.

O indicador refere-se à média de investimento que é atribuída aos esforços empregados para conquistar um cliente. Na maioria das organizações, os departamentos de vendas e de marketing são os principais envolvidos nesses processos. No entanto, isso pode variar, pois tudo depende exclusivamente do nicho em que a companhia se insere.

Para que um negócio consiga sobreviver no mercado, é preciso buscar a competitividade — e diminuir os custos é uma forma interessante de atingir essa meta. Otimizar o CAC pode ser um diferencial para que seu negócio possa aproveitar melhor o dinheiro, a fim de economizar, se desenvolver e aumentar os resultados. Quer saber quais são as 7 melhores práticas para reduzir e otimizar esse custo? Continue acompanhando e confira!

1. Crie um programa de indicação

Otimizar e reduzir o custo por cliente é uma boa solução? O que acha de fazê-lo chegar bem próximo de zero? Com certeza seria muito bom! Com um ótimo programa de indicação, isso se torna totalmente possível. A partir dessa estratégia, a companhia oferece certos benefícios aos compradores que já foram convertidos, para que eles possam indicar amigos, conhecidos e familiares, a fim de que também passem a ser clientes.

As vantagens a esses consumidores podem ser entregues na forma de brindes, descontos ou até prêmios para os que fizerem uma maior quantidade de indicações. Existem várias formas de engajar as pessoas em um programa como esse. O CAC vai cair consideravelmente com a adesão de muitos clientes.

2. Faça marketing de conteúdo

Criar um blog é um passo muito importante para quem deseja investir nessa estratégia, pois nele você vai poder publicar posts que ajudem os consumidores a resolver suas necessidades, problemas e dúvidas. Eles vão ser os principais responsáveis por atrair os potenciais clientes, especialmente pela busca orgânica.

Mas também é possível usar os conteúdos no meio e no fundo do funil, com a publicação de materiais mais aprofundados, que sejam úteis para comparar diferentes soluções, responder dúvidas, avaliar os benefícios de uma marca e, enfim, ajudar na decisão de compra. O conteúdo é essencial na criação de um relacionamento entre comprador e marca baseado em confiança durante toda a jornada de compra, aumentando, assim, a chance de gerar mais clientes.

Além disso, com o tempo, o conteúdo passa a ser um ativo da empresa, que continua atraindo visitantes e gerando muitos leads, sem ter que investir pesado em divulgação. Afinal de contas, o Google faz todo esse trabalho nos resultados da busca orgânica.

E claro que, quanto mais produzir conteúdos, mais páginas vão ser indexadas pelo buscador, atraindo mais e mais visitantes. Depois disso, quando entrarem no funil, a abordagem pela equipe de vendas e a nutrição de leads pelo marketing vão ser responsáveis por torná-los clientes do negócio.

3. Conheça o perfil do seu cliente

Para otimizar seu Custo de Aquisição do Cliente, você precisa conhecer bem o perfil do seu consumidor. Quem é esse cliente? O que ele anseia? Por qual motivo ele busca por determinado serviço ou produto? Essas são perguntas que precisam ser respondidas para que você possa entender o comportamento dele durante a jornada de compra.

Podemos citar um exemplo de péssimo investimento: quando as marcas alocam altos recursos em anúncios nas redes sociais sem antes saber se o perfil dos consumidores realmente está presentes em tais redes.

4. Implemente uma estratégia de vendarketing

Permitir que o departamento de marketing e o de vendas trabalhem em conjunto é uma excelente ideia. Afinal de contas, trata-se de duas partes envolvidas em um mesmo processo: a conversão de novos compradores. É justamente dessa ideia que o termo vendarketing surge, ou seja, uma fusão da palavra “vendas” e da palavra “marketing”.

É preciso criar pontes de diálogo entre ambos os departamentos, pois, assim, um pode ajudar o outro. Caso note que essa dinâmica não vai acontecer de forma orgânica, procure criar processos para isso dentro da companhia. Dessa forma, o marketing vai ter acesso a informações relevantes, tais como:

  • de que forma os vendedores abordam os potenciais clientes?
  • Em qual estágio da jornada do cliente estão os leads entregues?
  • Que tipo de informação é mais eficaz no momento de finalizar uma venda?

A equipe de vendas, por sua vez, vai poder conhecer dados importantes, como:

  • quais são as ações do marketing que estão planejadas para o mês?
  • Qual é o tom de voz que está sendo adotado nas comunicações com o consumidor?
  • O lead já estabeleceu contatos diferentes com a marca? Quais são eles?

Tendo todas essas informações, as duas equipes conseguem ter uma visão mais completa do cliente. Desse modo, os times podem se comunicar melhor e apresentar importantes diferenciais de mercado, que vão fazer toda a diferença no momento de fechar a venda. 

5. Cuide do pós-venda

Você criou um bom relacionamento com o comprador e ele passou a ser cliente da sua marca? Está pensando que a história pode terminar aí? Nada disso! É necessário e fundamental manter o engajamento e a interação no pós-venda. Fazendo isso, um novo cliente pode passar a ser promotor da empresa em sua rede de contatos, o que dispensa novos custos de divulgação.

Redes sociais, e-mail ou links patrocinados: não importa o canal, uma vez que todos eles podem ser utilizados para aprimorar ainda mais o pós-venda. Para isso, adote a satisfação do consumidor como um atributo realmente prioritário para a orientação estratégica da empresa.

6. Segmente o público

Tenha em mente que, quanto mais preciso e segmentado for o público-alvo de um anúncio, menos você vai precisar investir para convertê-lo em clientela. Por que isso acontece?

É simples: se você atinge as pessoas certas na hora certa, é muito mais provável que elas desejem comprar seus produtos ou serviços. Para tanto, é preciso conhecer a fundo o perfil dos clientes, desenvolvendo a persona da sua empresa para saber de que forma sua marca pode ser útil para ela.

7. Aumente a produtividade da equipe

Aumentar a produtividade do time funciona bem para diminuir o CAC. Nesse caso, além de usar os softwares para auxiliar na otimização das atividades, é fundamental manter o time bem motivado, com metas e muito reconhecimento.

Você já percebeu como o Custo de Aquisição do Cliente é uma métrica excelente, não é mesmo? Além de ser um indicador sobre a saúde da sua empresa, ele ajuda a fazer análises e projeções e a embasar tomadas de decisão.

Um bom CAC pode ser alcançado seguindo passos essenciais, como o cuidado com o pós-venda, a implementação de estratégia de vendarketing, a produção de conteúdo de qualidade para se relacionar com seus leads e clientes e muito mais! Basta colocar tudo em prática e conquistar seu objetivo!

E aí, gostou de conhecer os principais passos para reduzir o Custo de Aquisição do Cliente? Quer aprender mais com nossos conteúdos? Então aproveite para assinar a nossa newsletter e receber as novidades diretamente na sua caixa de entrada!